quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

um outro nada



um peixe mergulha
um outro nada

como não tenho um outro
nada a te oferecer
te ofereço flor de cactos
flor de lótus
flor de lírios
ou mesmo sexo
sendo flor ou faca fosse
nos poemas ácidos
em meus nervos óxidos

te ofereço tudo
sem nenhum apego
minhas arte/manhas

meu desassossego

Artur Gomes



Nenhum comentário:

Postar um comentário

o poeta enquanto coisa

O poeta enquanto coisa para Tonho França Escrito a 16 mãos 8 cabeças cada um com o seu tanto catando palavras ao vent...